Jardim Botânico da Universidade Federal de Juiz de Fora abre as portas para a população

Inauguração é um símbolo de vitória e resistência acadêmica e comunitária em favor da biodiversidade

Na manhã desta sexta-feira, 12 de abril, o Jardim Botânico da Universidade Federal de Juiz de Fora foi inaugurado e aberto para visitação de maneira pública, gratuita e de qualidade. A área, situada no bairro Santa Terezinha, abrange a Mata do Krambeck, um dos maiores remanescentes de floresta urbana (Mata Atlântica) do Brasil. São cerca de oitenta e três hectares de mata preservada dentro da cidade de Juiz de Fora, acessíveis agora à toda a população da cidade.

“Como morador, nascido e criado em Juiz de Fora, e também como geógrafo formado na Universidade, sei da importância de termos espaços como esses, de preservação, com galerias de artes, atividades públicas e gratuitas que valorizam o trabalho da UFJF, integram esse trabalho com a comunidade e contribuem para o desenvolvimento regional. Temos que agradecer e reconhecer o empenho dessa iniciativa”, disse Betão.

De acordo com o site da UFJF, o acesso liberado ao público tem cerca de dez hectares com trilhas, roteiros de visitação, lagos com decks, galerias de arte, bromeliário e orquidário com coleções botânicas. Bolsistas da Universidade estarão em pontos específicos do Jardim, orientando e informando sobre as espécies. Em visitas escolares, eles acompanharão os grupos.

“O Jardim é uma construção social legitimada por todos aqueles que fazem parte dela”, lembrou Ana Livia de Souza Coimbra, pró-reitora de extensão da UFJF. Ana Livia afirmou ainda que a relação do Jardim com a educação básica logo fará parte da experiência de três mil estudantes que até junho deste ano farão visitas guiadas já agendadas. 
“Hoje é um dia festa!”, exclamou o diretor do Jardim Botânico Gustavo Soldati. O diretor lembrou o dia em que leu na imprensa local que “a única movimentação do local era a de um cachorro e um vigia”, destacando a luta que foi travada para que o Jardim fosse inaugurado. “O Jardim Botânico foi capaz de unir e colocar em contato uma série de curso e, mais importante ainda, entregar à população juiz-forana um espaço em que todas as atividades são públicas e gratuitas. O acesso a biodiversidade é um bem comum”, afirmou lembrando os recentes crimes ambientais “escorrem pelos nossos rios” e que a educação ambiental é também um ato político. “Aqui a universidade pública exerce com plenitude sua função: servir à sociedade o conhecimento produzido”, finalizou.

Para o reitor Marcus David, “através dos projetos de extensão, as universidades levam seus projetos para a comunidade e vice-versa. Em Juiz de Fora, esse trabalho “extensionista” se dá através de trabalhos em diversas áreas. O Jardim Botânico é mais um importante equipamento de ensino de pesquisa e extensão. É niversidade pública cumprindo sua função de forma fundamental. Um espaço como esse, além de permitir pesquisas, estabelece uma relação com a comunidade, unindo forças para enfrentar as políticas antipreservação ambiental que se instalam no atual governo.”

Nilza Bellin Gaudereto, presidente da Associação de Moradores do Bairro Santa Terezinha, pontuou a relação entre a comunidade e a Universidade e destacou que “nos últimos anos, como membro da comunidade local, venho acompanhando o empenho dos profissionais da Universidade. Estamos passando por um momento em que as verbas são restritas, diante do congelamento de gastos e de um governo federal que acena com descaso para as causas ambientais.”

O horário de funcionamento será as terças, quartas, quintas e domingo das 8h às 17h, com entrada permitida até às 16h30. O acesso é gratuito sem necessidade de agendamento prévio para visitas espontâneas. O local tem capacidade de receber cem visitantes por vez.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Fechar Menu