Mandato do Betão leva abaixo-assinado contra a reforma da Previdência para as cidades mineiras; em três dias, foram coletas mais de 600 assinaturas contra a PEC

Andrelândia, Brumadinho, Contagem, Cataguases , Divinópolis, Ipatinga, Juiz de Fora, Santos Dumont e Timóteo. Essas são algumas das cidades que já aderiram nos últimos dias ao abaixo-assinado contra o texto da reforma da Previdência. Por onde vai, Betão tem falado da necessidade de mobilização e de iniciativas como essa. “Não temos muito tempo, temos que ir para as ruas, conversar com as pessoas e articular junto as centrais e sindicatos para que a proposta seja barrada”, reforça. Somente no mandato, a estimativa é que já tenham sido coletadas mais de 6 mil assinaturas. Nesta terça-feira a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara analisa a PEC 06/2019, apresentada pelo governo Bolsonaro.

Em três dias, foram coletadas mais de 600 assinaturas na capital mineira e a expectativa é que hoje o número total ultrapasse 6 mil, somente com assinaturas coletadas pelo mandato do Betão. As mobilizações não param: estivemos na Praça 7, em Belo Horizonte, no Calçadão, em Juiz de Fora, além de outros espaços públicos em outras 25 cidades em Minas Gerais com objetivo de informar a população e combater a proposta. “A Reforma da Previdência ataca ainda mais os direitos dos trabalhadores, já penalizados pela reforma trabalhista. Temos nos esforçado para levar informações e atuado junto às centrais e sindicatos para que todos entendam o quão nefasta é a proposta. Agora é hora de irmos às ruas, olharmos nos olhos das pessoas e falamos o quanto é importante mantermos nossos direitos”, acredita Betão.
A professora Maura Gerbi Veiga, da cidade de Ipatinga, relata a importância da iniciativa para levar informação à população do Estado. “Nesse contexto de ataques é muito importante manter o diálogo com a população. O abaixo-assinado é também uma forma de dar visibilidade e voz aos que são contra a proposta”, afirma.

Idelma Siqueira conta que tomou conhecimento do abaixo-assinado em uma das reuniões da Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Ela acredita que nesse momento de pressões e de pouca voz do cidadão, o abaixo-assinado é sim um instrumento de pressão. “É uma ferramenta eficaz de pressão contra uma proposta que só retira direitos e prejudica a classe trabalhadora”, conclui.
Em todo Brasil, centrais sindicais como a Central Única dos Trabalhadores, movimentos como a Frente Brasil Popular, além de sindicatos que estão se mobilizando para coletar assinaturas contra a proposta.

Veja como a reforma será ruim para toda a classe trabalhadora (dados CUT):

A PEC dificulta o acesso e reduz o valor dos benefícios ao estabelecer a obrigatoriedade da idade mínima de 65 anos para os homens, 62 para as mulheres;

A proposta aumenta o tempo de contribuição de 15 para 20 anos, além de retirar da Constituição o sistema de Seguridade Social brasileiro;

Para os professores e professoras a PEC prevê idade mínima obrigatória para aposentadoria da categoria de 60 anos para homens e mulheres e aumenta o tempo mínimo de contribuição para 30 anos. Na prática, quem cumprir esses requisitos terá direito a 80% do valor do benefício e para ter direito a 100% do benefício é preciso contribuir durante 40 anos;

A reforma de Bolsonaro pode retardar ou até acabar com o direito à aposentadoria dos trabalhadores e trabalhadoras rurais, em especial dos agricultores e das agricultoras familiares, que nem sempre têm renda para contribuir com o INSS, e por isso estão na categoria de “segurados especiais”.

A idade mínima do Benefício de Prestação Continuada (BPC), no valor de um salário mínimo por mês pago a idosos e pessoas com deficiência em situação de miserabilidade, passa de 65 para 70 anos.

Para as mulheres a reforma da Previdência de Bolsonaro acaba com a aposentadoria por tempo de contribuição e obriga as mulheres a se aposentarem com, no mínimo, 62 anos de idade, além de aumenta o tempo mínimo de contribuição de 15 anos para 20 anos.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Fechar Menu