You are currently viewing UFJF define cortes de verbas para as universidades públicas como “extremamente grave”

UFJF define cortes de verbas para as universidades públicas como “extremamente grave”

Betão afirma que situação é preocupante porque afeta o andamento das pesquisas realizadas no campus e a atividade universitária de diversos alunos

Imagem: Leandro Mockdece

A Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) se pronunciou no início da tarde desta sexta-feira (03) sobre o anúncio feito pelo Ministro da Educação Abraham Weintraub do bloqueio de 30% do orçamento das universidades federais no país admitindo ser “extremamente grave” a situação. Em nota, o Conselho Superior da UFJF confessou que “amanheceu perplexo no dia 30 de abril, diante da informação de que os recursos de três universidades federais (UFF, UFBA e UnB) estariam com cortes de 30% em seus orçamentos, assim como a própria UFJF estaria sob avaliação”.

Além do problema financeiro, o reitor da UFJF, Marcus David, questiona o viés político dos bloqueios. “A primeira declaração do Ministro era de uma vinculação desse corte orçamentário ligado as posições ideológicas de universidades. Isso é muito grave dentro da lógica de autonomia universitária. O governo não pode pensar em aparelhar a universidade. A universidade só é livre se ela tiver a possibilidade de livre pensar”, avalia.

O relato do Conselho Superior mostra ainda que a UFJF vem apresentando bons resultados  e por isso os cortes devem ser reavaliados. “A UFJF, em particular, tem 86% de seus cursos avaliados com conceito 4 ou 5 no Enade (entre 2015 e 2018) e conceito institucional 4 do Inep, atendendo, no ano passado, 19.829 alunos (eram 13.398 em 2013). Na pós-graduação, eram 23 os cursos de mestrado e nove de doutorado em 2009, sendo hoje, 10 anos depois, 46 cursos de mestrado e 25 de doutorado. Não foi apenas um crescimento quantitativo, mas também em aspectos qualitativos”, faz questão de pontuar.

Para Betão, o anúncio dos cortes é preocupante e já terá impacto imediato. “É extramente temeroso o que está sendo feito com a educação pública neste país. A PEC do teto de gastos com políticas públicas (PEC 95/2016) já vinha penalizando as universidades, que não podem de forma alguma perder ainda mais em seus orçamentos”, lembrou o deputado. Betão disse ainda que a medida anunciada por Bolsonaro “implica no enfraquecimento da produção de pesquisas e extensão”, afirma.

O reitor Marcus David confessa que “um corte de 30% no orçamento, de custeio e capital, compromete gravemente o funcionamento da Universidade, tanto no Campus de Juiz de Fora, quanto no de Governador Valadares. A dificuldade daqui para frente será manter a universidade funcionando com o mesmo padrão de qualidade com esse corte”.

Comunidade acadêmica teme que medida prejudique qualidade da universidade

Estudante do 3º período do curso de História da UFJF e membro do Diretório Central dos Estudantes, Gabriel Lacerda (18) avalia a situação como uma “chantagem” do governo. “Ele (Ministro) anuncia que esse corte de gastos existe e que as universidades que não cometerem o que ele chama de ‘balbúrdia’, vão ser premiadas com cortes menores. Isso é chantagem”, disse. Ainda de acordo com o estudante a ideia é que a categoria se organize para protestar contra a decisão, realizando assembleias em outras universidades do país. “Aqui na UFJF já temos um ato marcado para o dia 8″, complementou.

O cientista político e professor da UFJF, Paulo Roberto Figueira Leal, vai direto ao problema: “o corte de recursos das universidades federais caracteriza o governo Bolsonaro desde o início. Pelo que vemos, o presidente trata a educação como ‘inimiga’. Disse lembrando que há dias o presidente e o ministro da educação elogiaram uma aluna que expôs gravações da aula de uma docente em redes sociais. “É triste constatar que os docentes e as instituições de ensino são tratadas pelo governo como um inimigo interno a combater: trata-se de um retrocesso civilizatório inaceitável”, analisa.

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.