Betão aprova requerimento que exige o início das obras de restauração no prédio da Escola Estadual Delfim Moreira

    Recursos já estão licitados desde setembro de 2018 e alunos e educadores esperam pelo início imediato das obras

    A Comissão de Educação, Ciência e Tecnologia aprovou na manhã desta quarta-feira (22/05), o requerimento do deputado Betão (PT) para que seja encaminhado ao Departamento de Edificações e Estradas de Rodagem do Estado de Minas Gerais (DEER-MG), pedido de providências para a execução imediata das obras já licitadas para restauração e reforma do prédio onde funciona a Escola Estadual Delfim Moreira, em Juiz de Fora, Zona da Mata.
    O assunto não é novo e de acordo com o cronograma confirmado pela coordenação da escola, em setembro do ano passado a licitação foi homologada, sendo que as obras ficariam a cargo da empresa Catalunha Engenharia, pelo montante de R$ 7.896.855,27. A ideia é que após a data fosse assinado uma ordem de serviço para o começo dos trabalhos, mas isso não aconteceu. “Nosso compromisso aqui na Comissão de Educação é olhar a situação de escolas como a Delfim Moreira e cobrar do governo de Minas Gerais as devidas providências. Educação deve ser sempre prioridade”, disse Betão.

    A demanda para realização das obras é uma reivindicação antiga de sindicatos, professores e estudantes da cidade de Juiz de Fora. Por conta de problemas estruturais graves, a escola funciona desde 2013 em um prédio alugado entre as ruas Santo Antônio e Fernando Lobo e conta com 1.132 alunos matriculados e 104 funcionários.

    Diretora da escola desde 2016, Letícia Natalino já lecionava matemática no prédio antigo quando houve a mudança. Para ela, a estrutura do local não é a mais adequada para o funcionamento de uma escola. “Aqui temos desde crianças de 11 anos até adolescentes, que precisam de espaço físico. Não temos mais o pátio nem a cantina. Temos uma cozinha pequena que não é adequada. Só no turno da manhã, temos mais de 500 alunos, usando uma cozinha que antes funcionava como cantina. Isso é ruim tanto para os alunos quanto para os profissionais que trabalham na escola”, comenta.
    Para a diretora a espera piora ainda mais a situação dos alunos. “Esse prédio novo não é adequado e nós temos um lugar adequado para onde retornar. A gente quer é voltar para a nossa sede. As pessoas às vezes brincam dizendo que lá é a ‘escola antiga’ e eu digo que lá não é escola antiga, não! Lá é a nossa escola. Aqui é simplesmente um lugar paliativo”, desabafa.

    De acordo com Vera Vânia Vieira, secretária escolar do Delfim Moreira há 17 anos “essa mudança impactou muito o funcionamento da escola, a infraestrutura é precária, com salas apertadas e sem ventilação que comprometem não só o aprendizado dos alunos, mas colocam em risco patrimônios como os livros da biblioteca e computadores”. Para ela, que formou a filha na escola, um outro problema grave é o trânsito do entorno. “O trânsito aqui em frente à escola é terrível, não há sinalização, isso coloca em risco os estudantes. Além do barulho muito grande que vem da rua”, finaliza.
    “Lá (no prédio antigo) é o céu e aqui é o inferno”, brinca Sônia Maria Campos, auxiliar de serviços gerais da escola há 27 anos. Ela relata que na antiga escola o desempenho dos alunos era bem melhor, muito em função do espaço físico. “A direção da escola se desdobra para dar as condições adequadas, mas a infraestrutura aqui é muito ruim, não tem um pátio, não tem uma quadra, as salas são muito pequenas”, finaliza.

    Patrimônio Histórico

    Patrimônio histórico municipal no coração de Juiz de Fora, o palacete Santa Mafalda, tombado desde 1983, foi construído em 1907, como casa de veraneio da Família Imperial. Mais conhecida como “Grupo Central”, a escola atendeu a diferentes gerações de estudantes na cidade.
    Em contato com nossa assessoria, o DEER/MG informou que “o prédio da Escola Estadual Delfim Moreira é tombado pelo patrimônio histórico municipal e as obras de reforma e restauração estão sob a coordenação do Departamento de Edificações e Estradas de Rodagem de Minas Gerais (DEER/MG), órgão responsável pelo processo de licitação, contratação, condução e acompanhamento das obras. O processo licitatório já ocorreu, no entanto, diante do atual cenário financeiro do Estado, o DEER/MG aguarda a disponibilização de recursos para o início ou retomada das obras em Minas Gerais, que deverão seguir uma escala de priorização elaborada junto às Secretarias”.

    Compartilhar no facebook
    Facebook
    Compartilhar no twitter
    Twitter
    Compartilhar no whatsapp
    WhatsApp
    Compartilhar no telegram
    Telegram

    Deixe uma resposta

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

    Fechar Menu