Betão visita assentamento, associação de catadores e discute a construção de um PT mais forte em Uberlândia

    A força do trabalhador mineiro e o atual momento político também foram destaques da visita à região

    O deputado Betão viu de perto a realidade dos moradores do assentamento Elisson Pietro, em Uberlândia, Triângulo Mineiro, mais conhecido como Glória e considerado um dos maiores da América Latina. O local também é considerado pelo poder público como a maior experiência de regularização fundiária do país. Hoje, vivem no local mais de 2.200 famílias, ultrapassando 12 mil moradores. “É importante ver o processo de estruturação e organização das famílias, que agora passam a ser donos da sua terra”, afirma Betão.

    A história do assentamento começou em 2012, quando um grupo de sem tetos ocupou um terreno da Universidade Federal de Uberlândia. Anos depois, graças à articulação do ex-presidente Lula junto ao governo de Minas Gerais, a Companhia de Habitação do Estado de Minas Gerais (Cohab) interveio mediando a doação do terreno aos moradores e cedendo um novo terreno à universidade de Uberlândia.

    Hoje as famílias assentadas pagam pelo lote uma prestação que varia entre R$ 125 e R$500. Atualmente a ocupação conta com energia elétrica, mas ainda faltam o saneamento básico e a instalação de água. De acordo com o advogado Igino Marques, guia de Betão na visita, a ideia é que os assentamentos possam ter cada vez mais condições de serem formalizados. “Uberlândia conta com cerca de 50 ocupações urbanas, além de dezenas de bairros irregulares e a nossa intenção é buscar meios para estruturar esses locais”, disse.

    Associação de catadores é diferencial para valorização dos trabalhadores

    Outra visita que marcou a ida de Betão ao Triângulo Mineiro foi à sede da Associação de Recicladores e Catadores Autônomos (ARCA). Criada em 2007, com o objetivo da associação é de fortalecer a categoria dos catadores de materiais recicláveis da cidade, hoje o local já conta com 27 trabalhadores associados.

    Betão visitou as instalações do local e lembrou que em Belo Horizonte existe o Centro Mineiro de Referência em Resíduos, local defendido pelo Bloco Democracia e Luta durante a reforma administrativa proposta por Zema (saiba mais).

    O deputado lembrou que locais como o Centro e Associação de Uberlândia, ajuda a reforçar e valorizar a profissão. “É uma profissão que merece toda atenção devido ao desgaste e às condições de exposição aos riscos no trabalho. Têm catadores que trabalham o dia todo, andando pelas ruas sem a mínima segurança. Por isso manter o Centro é fundamental, porque não é um gasto do Estado, mas sim um espaço em que eles poderão aprender mais e se capacitar sobre a sua profissão”, disse.

    Quem recebeu Betão nessa visita é o presidente da ARCA há dois anos, João Batista, que falou da importância da estruturação do setor na cidade e como as ações impactam em todo a região. Ele conta que a estruturação da associação deu dignidade aos trabalhadores, melhorou a renda e a qualidade de vida dos 27 associados e dos 47 trabalhadores indiretos. As demandas são muitas e no galpão onde ele apresentou seu trabalho a Betão, ele mostra que falta uma empilhadeira e uma prensa. O que não faltou foi agradecimento e reconhecimento pela visita de Betão ao local. “Você não sabe a importância das pessoas virem até onde a gente está. Vir e ver de perto como é a nossa realizada. Isso é importante demais e o que o Betão fez não tem preço”, disse emocionado.

    O local conta com 12 pessoas trabalhando diretamente com a coleta. Além da coleta na rua, alguns desses trabalhadores vão às residências de moradores em busca de materiais. A renda média antes da associação era de R$ 150. Agora, esse valor varia entre R$700 e um salário-mínimo.

    Por um PT mais forte e unido pelos trabalhadores

    A defesa da previdência Pública, que na tarde de ontem sofreu o primeiro ataque oficial com a aprovação o texto-base da reforma de Bolsonaro por 36 votos a 13, foi um dos temas tratados por Betão na reunião de Petistas de Uberlândia.

    No local Betão falou do atual momento de ataques à classe trabalhadora no Brasil e no mundo, citando países como a França e a Argélia. O deputado lembrou também os cortes anunciados pelo governo Bolsonaro e reforçou a necessidade de PT se unir em defesa dos trabalhadores. “As manifestações de rua mostraram que o povo não está satisfeito com os cortes nem com a proposta de reforma da previdência. Não podemos deixar que privatizem nossas estatais nem que aprovem essa reforma da Previdência nefasta”, disse a uma plateia de quase 30 pessoas.

    Conversa com sindicatos e fortalecimento dos setores

    O atual momento da educação com os frequentes ataques à classe trabalhadora, em especial na proposta de reforma da Previdência, foi o tema do encontro com o presidente do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Uberlândia (Sind-UTE), Guilherme de Faria Graciano. Não parou por aí, Guilherme reclamou do atual governo em Minas Gerais e chamou atenção para o parcelamento do 13º salário dos servidores. O presidente relatou a Betão a necessidade de se construir uma escola estadual no bairro Residencial Pequis, onde a maioria dos moradores é beneficiária do programa Minha Casa, Minha Vida. “São cerca de 3.600 famílias no local sem uma escola estadual que atenda a comunidade. Precisamos urgentemente de uma unidade de ensino no bairro”, reforça. Ao longo do dia, Betão também se encontrou com representantes do Sindicato Intermunicipal dos Trabalhadores na Indústria Energética de Uberlândia e dos Trabalhadores no Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de Uberlândia (Sinttrurb).

    Share on facebook
    Facebook
    Share on twitter
    Twitter
    Share on whatsapp
    WhatsApp
    Share on telegram
    Telegram

    Deixe uma resposta

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

    Fechar Menu