You are currently viewing Portadores de Esclerose Lateral Amiotrófica lutam pela construção de um centro de referência em Juiz de Fora

Portadores de Esclerose Lateral Amiotrófica lutam pela construção de um centro de referência em Juiz de Fora

Betão chamou atenção para a necessidade da construção do Centro para melhorar a qualidade de vida dos pacientes

Há 10 anos, Ana Amélia Dato Teixeira começou a sentir os primeiros sintomas: fadiga e cansaço. Nos primeiros diagnósticos ela nem imaginava que poderia ser portadora da doença Esclerose Lateral Amiotrófica. Mais conhecida como ELA, a doença, ainda com causa desconhecida, faz com que as células nervosas se quebrem, o que reduz a funcionalidade dos músculos, levando à atrofia dentre outros problemas.

Hoje, além de ser presidente do Movimento em defesa dos direitos das pessoas com Esclerose Lateral Amiotrófica (Movela), em Juiz de Fora, a sua luta é para que a cidade passe a contar com um centro de referência para o tratamento de doenças raras.

A possibilidade de construção do centro é assegurada por lei, e o que Ana Amélia busca é alguma maneira de colocar em prática a Portaria 199/2014, que dispõe da criação de centros de referências para o tratamento de doenças raras. “Para os mais de 100 portadores da ELA que moram em Juiz de Fora e região, a construção do Centro será um diferencial, porque a ideia é que o espaço passe a contar com profissionais que ofereçam um tratamento multidisciplinar e qualificado”, explica revelando que em determinados locais há a oferta de serviços, mas sem a especialização de médicos qualificados.

Durante o encontro com o deputado Betão, os representantes do Movela falaram das dificuldades e como a falta de uma infraestrutura adequada pode interferir no tratamento. “É importante que a gente escute de vocês quais são as reais necessidades. Levarei para a assembleia o tema e tenho certeza que a Casa terá toda atenção a ele”, disse lembrando que no próximo dia 21 de agosto a Almg, por meio da Comissão de Saúde, irá discutir em audiência pública, como a falta de inúmeros medicamentos na assistência farmacêutica do Estado e seus impactos em pacientes acometidos por doenças raras.

Além de as causas serem desconhecidas, a única forma de tratamento é a medicação e terapia, que juntas, podem retardar a ELA (esclerose lateral amiotrófica) e reduzir o desconforto, até o momento não há cura. Aos 59 anos, e uma década depois de descobrir a doença, outros cinco irmão também apresentam o mesmo problema. “Nossa luta é para melhorar a qualidade de vida dessas pessoas. Hoje, a associação consegue assistir, mesmo que sem uma sede própria, quase 3 mil pessoas com a doença em Minas Gerais”, explica.

Segundo Franco Groia, membro do Coletivo Nacional dos Trabalhadores com Deficiência da CUT e Presidente do Coletivo Regional da CUT-MG Zona da Mata, a região carece de muitos cuidados e as pessoas com a doença precisam sim de atendimento. “A média de incidência de ELA na região em Juiz de Fora e região é maior do que no Brasil, por isso é importante que haja estrutura para atendimento”, afirmou.

Portadores da doença precisam de suporte

Além da construção do Centro, os mais de 3 mil assistidos pelo Movela também precisam de uma sede para estruturarem suas atividades. Em junho deste ano o grupo promoveu um ciclo de palestras para ajudar na conscientização da população sobre a as dificuldade de quem tem ela e também da necessidade de uma infraestrutura adequada.

Quem está colaborando para que a doença receba mais visibilidade e apoio na Zona da Mata é Marília Bonoto, também integrante do Movela. Para ela, o mais importante é fazer valer a portaria. “Juiz de Fora tem a possibilidade de colocar em prática uma portaria que ajudaria muito no tratamento das pessoas. O dispositivo da lei já prevê verba específica para implantação e manutenção do espaço”, reforça.

Hoje, o único suporte que eles contam é com o atendimento do Hospital Universitário de Juiz de Fora que, de acordo com Ana Amélia, o “HU está se preparando para realizar o tratamento das pessoas com ELA desde a publicação da portaria, mas para a liberação do atendimento é preciso que haja a documentação específica, que está sendo providenciada pelo grupo”, explica.

Lembrando que em junho deste ano, Betão anunciou o envio ao Hospital Universitário de Juiz de Fora, de recursos de emenda parlamentar no valor de R$ 300 mil. O valor será aplicado no custeio do programa de transplante de medula óssea além de viabilizar o início das atividades de transplante renal na instituição. Boa notícia para a saúde de Juiz de Fora e região.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.