II Feira Literária de Santos Dumont reúne cultura, gastronomia e literatura em Conceição do Formoso

    Evento reforça movimentação do distrito, que já vem se articulando para a valorização da cultura local

    Imagine reunir em um mesmo espaço dança, cultura, apresentações de corais e o melhor da gastronomia mineira. Pois quem passou por Conceição do Formoso neste final de semana pôde acompanhar de perto um pouco da cultura local na II Feira Literária de Santos Dumont, realizada entre os dias 30 de agosto e 1 de setembro.  A edição deste ano teve como tema “Livros e Flores, Eis Meus Amores”, inspirado em um de dos livros do Padre Theófilo Dutra, homenageado em 2019 pela Feira, que viveu na comunidade entre 1923 e 1932. Em sua segunda mostra, a Feira é uma forma de valorizar a cultura local, preservar o turismo de base comunitária, e fomentar os projetos culturais, gerando trabalho e renda para Conceição do Formoso.

    “Foi muito importante para a comunidade ver de perto o resultado da articulação que tem sido feita pela valorização da cultura e do turismo local. Teve gente que nunca tinha participado de um evento assim e foi e gostou. Nossa ideia agora é levar a feira para outras comunidades como Conceição do Formoso”, disse Ana Maria Marques Dias, da organização do evento e membro do setor do Patrimônio Cultural da Prefeitura de Santos Dumont.

    Comunidade pela valorização da literatura

    Teve de tudo um pouco e a Feira contou ainda com o encontro entre escritores como Victor Kingman e Alice Gervason, com espetáculo teatral “O Velório Nordestino” apresentado pelo Grupo JC e apresentações musicais como os recitais de Virgínia e Maria Alice (voz e piano), de Mateus Vidal (violino) e do coral Tajapanema, que encerrou as atividades.

    Duas exposições contaram um pouco da história local. “O Ciclo do Café em Formoso” no prédio do Conselho (antiga cadeia) que além da história do café, reuniu objetos antigos da comunidade e a exposição “Sentidos” realizada no salão paroquial que reuniu fotos de diversos fotógrafos de Santos Dumont.

    O cinema também esteve presente na praça com a exibição do vídeo “Brasil Visto de Cima”, que retrata a vida das comunidades da região, além de uma deliciosa aventura pelas belezas naturais do distrito com uma expedição à famosa e bela Cachoeira da Fumaça. 

    O evento foi organizado pela associação “Turismo é bom e dá trabalho”, pela Agência de Desenvolvimento de Santos Dumont, pela Divisão de Patrimônio Cultural da Prefeitura de Santos Dumont e teve apoio do IF campus Santos Dumont e da Prefeitura de Tabuleiro.

    Gastronomia Mineira foi um diferencial

    Quem passou pela barraca do restaurante Cantinho Mineiro Formoso não teve o que reclamar. Tinha de tudo um pouco: tropeiro, linguiça e muitas coisas da típica culinária mineira. A dona do local, Eliana Aparecida Dornelas, conta que trabalha com o restaurante há dois anos e essa foi a primeira participação na feira, mas que já aguarda ansiosa pela próxima edição. “Para a gente essa articulação da cultura, gastronomia e turismo é fundamental. Para o meu negócio tem sido uma importante ferramenta”, disse.

    O evento contou ainda com VII Jornada do Patrimônio Cultural de Minas Gerais, cujo tema da edição é gastronomia. As delícias de Formoso, que integra a rota dos tropeiros que seguiam para a Estrada Real, foram representadas por maravilhas como arroz carreteiro, feijão, tropeiro, mandioca, torresmo e ovo caipira, doces de frutas típicas, bolos, biscoitos, broas, rapadura e cachaça.

    Segundo a representante do mandato, a assessora Gicele Brittes, curadora e organizadora do evento, o ponto alto foi o workshop de “Papo Suado” uma iguaria tradicional de Formoso feita a base de fubá e gordura. “A Feira Literária de Santos Dumont foi um sucesso, primeiro porque ela conseguiu cumprir o seu papel que é o de reunir escritores e o público local em um evento bastante democrático, voltado para a fusão e a partilha de conhecimento. O evento também valorizou e ajudou a revigorar a cultura e a história da comunidade de Conceição Formoso. Foi bonito ver a presença dos moradores e o protagonismo deles desde o preparo para acolher os visitantes até a parte da culinária e a organização das barracas, que contavam com produtos feitos pela própria comunidade”, disse lembrando que nesta edição o evento conseguiu a movimentação de toda uma cadeia produtiva do turismo de base comunitária de Conceição do Formoso com o envolvimento de pessoas de outras cidades como Barbacena, Juiz de Fora, Rio Pomba e Piau.

    Compartilhar no facebook
    Facebook
    Compartilhar no twitter
    Twitter
    Compartilhar no whatsapp
    WhatsApp
    Compartilhar no telegram
    Telegram

    Deixe uma resposta

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

    Fechar Menu