Movimentos sociais, sindicatos e moradores de Brumadinho se unem em um ato pela soberania nacional e a reestatização da Vale

No dia que em que o crime de Brumadinho completou 9 meses, moradores, representantes de sindicatos e movimentos sociais marcharam pelas ruas de Brumadinho para lembrar as 300 mortes, para pedir a soberania nacional e também a reestatização da Vale.

O ato, que contou com a presença do deputado estadual Betão e do federal Rogério Correia foi também em memória às 18 vítimas ainda desaparecidas. “Por todo mundo há um movimento de reestatização de mais de 2 mil empresas que eram públicas. Isso acontece porque somente uma empresa pública pode dar condições de proteger os trabalhadores e a população, e não atender predominantemente aos interesses dos acionistas”, alerta Betão.

“Não somos números, não somos só matrículas. Somos vidas e vidas que foram interrompidas”, lembrou Moisés Clemente um dos sobreviventes do crime da Vale em Brumadinho. “O capitalismo selvagem foi o que matou 300 vidas e as que ficaram não tem qualquer respeito porque algumas famílias não conseguem nem recuperar os corpos  e sofrem problemas psicológico e psiquiátricos sem respaldo nenhum da Vale criminosa”, disse lembrando que no ato não teve nenhum representante da Vale.

Do outro lado da rua, Amanda Aparecida acompanha de longe o ato, e devido à dor de ter perdido um parente na tragédia não quis falar muito. “Perdi uma prima que estava no restaurante na hora do rompimento da barragem. Meu primo, irmão dela, é um dos sobreviventes da tragédia mas ficou com graves sequelas. Minha tinha coitada teve que mudar para Sarzedo porque ela não suportava passar em frente à ponte e lembrar que perdeu uma filha”, conta a jovem citado a ponte onde passa o Rio Paraopeba, hoje contaminado pelo rompimento da barragem.

Integrante do movimento dos quilombolas e moradora da região, Nanci Ramos também relembra a dor das famílias dos 300 mortos e fala que só a união poderá buscar justiça pelo crime da vale. “Temos que nos unir, nos organizar e buscar justiça. Temos que lutar para ter a Vale de volta, reestatizada. Basta de tanta exploração e de mortes”, disse emocionada.

Representando o sindicatos dos Metroviários de Minas Gerais, Batista Garrilho lembrou que a dor das famílias de Brumadinho é dor todos. Ele também chamou atenção para que todos se unam contra o projeto de novas privatizações em Minas Gerais e em todo país. “Querem privatizar o metrô, as nossas estatais e outras empresas que são do povo. O resultado está aí, mortes e exploração dos trabalhadores. Temos que nos unir contra isso”, disse durante a caminhada.

Representando o sindicatos dos Metroviários de Minas Gerais, Batista Garrilho lembrou que a dor das famílias de Brumadinho é dor todos. Ele também chamou atenção para que todos se unam contra o projeto de novas privatizações em Minas Gerais e em todo país. “Querem privatizar o metrô, as nossas estatais e outras empresas que são do povo. O resultado está aí, mortes e exploração dos trabalhadores. Temos que nos unir contra isso”, disse durante a caminhada.

Movimentos sociais querem o fim da exploração dos trabalhadores e das mortes

“O que a gente ganhou com a privatização das empresas em todo Brasil? Só exploração e mortes. Queremos a soberania nacional e as nossas estatais de volta. Em Minas e no Brasil vários trabalhadores morreram para garantir o lucro das multinacionais. Chega”, disse Adilson Manuel da Silva representante do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra.

Quem também quer o fim das mortes e da exploração dos trabalhadores é Sonia Mara Maranho, do Movimento de Atingidos por Barragens (MAB). “Não podemos mais aceitar crimes que acabam com a vida dos trabalhadores e das famílias. Chega da construção de barragens que matam e de uma prática de mineração exploratória”, disse.

Para que mais mortes não aconteçam, o deputado federal Rogério Correia apresentou um projeto de lei na Câmara Federal para que seja feito um plebiscito para consultar a população sobre a reestatização da Vale. “Nós temos que recuperar a Vale para o Brasil para termos uma estratégia de desenvolvimento para o estado. Temos que recuperar as nossas riquezas, que são as estatais para a nossa soberania nacional. Não queremos mais cenas como essa que é o Rio Paraopeba, todo contaminado por minério”, finalizou.

Galeria de fotos

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Fechar Menu