Educadores de pelo menos 15 cidades mineiras protestam contra fechamento de turmas e escolas em Minas Gerais

 

Professores temem demissões e alunos aguardam destino para estudar no ano de 2020; educadores fizeram um dia de paralisação contra os ataques à educação

 Ubá, Ribeirão das Neves, Itaúna, Betim e São Vicente. Essas são algumas das cidades que terão turmas ou escolas fechadas no ano de 2020. Somente em Uberlândia, serão 69 turmas fechadas em mais de 10 escolas e o cenário no Estado é catastrófico. A decisão, tomada de forma arbitrária pela Secretaria de Estado de Educação, tem como objetivo transferir para a competência municipal a educação dos milhares de alunos em Minas Gerais.

“Um verdadeiro absurdo o governo Zema permitir o fechamento de turmas sem ao menos consultar pais, alunos e educadores. Não podemos aceitar essa fase de ataques à educação, com ameaças aos professores e risco de demissões, além do fechamento de turmas e escolas”, disse Betão, lembrando que é autor de um projeto de Lei que impede que o governo feche escolas de forma arbitrária sem consultar a comunidade e órgãos competentes (saiba mais).

“Somos seres humanos e a partir do ano que vem ficaremos sem emprego. Estamos falando de mais de 150 crianças que deixarão de ter acesso a uma educação em tempo integral a partir de 2020”, disse Danielle Gonçalves, superintendente da Escola Estadual Referendo Rafael, em Aimorés, Rio Doce.

A superintendente disse ainda que a medida foi unilateral, e que nem a prefeitura, nem as escolas foram consultadas. “Recebemos um e-mail informando que o nosso Plano de Atendimento não seria válido para o ano que vem e que por isso haveria fechamento de turma e possível fechamento de escolas. É assustador e revoltante”, reforçou.

O assunto foi tratado na audiência pública realizada pela Comissão de Educação da ALMG, com objetivo de tentar reverter o processo de fechamento ou transferência de matrículas dos alunos. O dia também foi marcado por protestos e com uma paralisação dos educadores em Minas Gerais, contra a forma como os atuais governos Zema e Bolsonaro vêm tratando a educação no Brasil.

Conforme relataram representantes das escolas durante a audiência, a notificação do fechamento de algumas escolas em Minas Gerais foi feito por e-mail, de forma unilateral, no último dia 25 de outubro e que, até o momento, muitas prefeituras não confirmaram se poderão incorporar os alunos.

Autora do requerimento da audiência de hoje, a deputada Beatriz Cerqueira informou que fará, juntamente à Comissão de Educação, uma visita à Secretaria Estadual de Educação para oficializar as demandas e tentar reverter a situação. “O fechamento de uma escola ou de turmas não pode ser uma decisão unilateral”, complementou.

Marcele Amador, representante das escolas de Ibirité, também chamou atenção para o desmonte da educação em Minas Gerais que vai desde a falta do pagamento do piso salarial da categoria à falta de diálogo para tomada de decisões estratégicas como essa. “Nós temos é que conclamar a educação em Minas Gerais e não pregar esse desmonte que está acontecendo. Não concordamos com o fechamento de turmas e de escolas em Minas Gerais. Isso é um ataque à educação”, desabafou.

Secretaria de Educação nega fechamento e diz que medida é uma “readequação”

“Não há nenhuma intenção de fechamento das escolas. O que a gente está propondo é uma readequação, um rearranjo das turmas ociosas. As mudanças de escolas terão um limite de no máximo 1 km”, disse Geniana Guimarães Faria, representante da Secretaria de Desenvolvimento da Educação Básica, da Secretaria de Estado de Educação.

Sob vaias, Geniana afirmou também que o plantão de atendimento ainda não está fechado e que os diretores terão autonomia para mudá-lo até o dia 11 de dezembro.

Diferentemente do que foi relatado pelos diretores, Geniana disse que as 13 municipalizações previstas para o ano quem, a exemplo da já anunciada para Ubá, foram solicitações dos prefeitos e que essa demanda está registrada por meio de ofício. A representante garantiu a todos que não haverá demissões.

 “Não foi uma demanda nossa, foi um pedido das prefeituras para realizar a municipalização”, afirmou. Entretanto, a deputada Beatriz Cerqueira disse que representantes da prefeitura de Ubá já negaram a afirmação.

Fechando as discussões da audiência, Denise Romano, coordenadora do Sindicato da Educação de Minas Gerais, endossou como a falta de diálogo do governo tem prejudicado o andamento da educação em Minas. Ela também parabenizou os servidores da educação que, segundo ela, fizeram hoje a “maior paralisação dos servidores da educação no governo Zema”.

De acordo com a representante do Sind-UTE, “não é possível que o governo estabeleça essa relação as escolas, fechando turmas de forma arbitrária, não tendo diálogo com os educadores e só realizando cortes. Nós ficamos sabendo de algumas mudanças na área pela imprensa e dessa vez tomamos conhecimento por e-mail. É um problema estrutural e o governo não pode simplesmente virar as costas porque estamos falando de um problema completo”, finalizou.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Fechar Menu