Trabalhadores da Fhemig exigem melhores condições de trabalho e atendimento e cobram mais diálogo com o governo estadual

Para categoria, atual situação da saúde em Minas não é novidade e o problema está na gestão Zema que aplica cortes sem estudos e diálogo com os servidores

“Não tem remédio, não tem assistência para as colônias (hanseníacos). Tá acabando tudo e a Fhemig tem que olhar pelos pacientes e pelos trabalhadores da rede”, fez um apelo Laudívio Souza durante a audiência pública da Comissão do Trabalho, da Previdência e da Assistência Social.

E ele não é o único, há 33 dias de greve, os trabalhadores da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig) vieram à Assembleia relatar que seguem no impasse com a pauta de negociação com o governo de Estado e que a situação é caótica.

“O sucateamento da saúde não é de hoje. Ele vem desde o golpe de 2016 e as tentativas de desmonte e desestruturação de setores fundamentais como saúde e educação. Temos que nos unir contra esse governo e para isso os trabalhadores da saúde precisam ser ouvidos”, disse Betão abrindo a audiência.

Para o deputado, os atuais governos só se preocupam em colocar em prática o plano de vender todos os setores estratégicos. “Privatizar a saúde pública não é a saída. Em outros estados, como São Paulo, o modelo proposto pelo governo de Minas para a rede Fhemig resultou na demissão de funcionários e no aumento do custo na saúde”, informou o deputado Betão, que já trouxe a discussão à Almg, numa das audiências públicas sobre o Hospital João Penido, de Juiz de Fora (Zona da Mata), que também integra a rede.

“Não adianta o Zema falar que a saúde é um problema do governo passado. Estamos vivendo um problema de gestão e o seu governo demonstra total incapacidade administrativa para resolver o problema. O resultado está ai, com a greve. E é importante informar a todos que a greve não é só pela questão salarial, mas também por melhores condições de atendimento dos pacientes e trabalhadores da rede”, explicou Carlos Augusto dos Passos, presidente da Associação Sindical dos Trabalhadores em Hospitais em Minas Gerais.

Realidade que afeta a vida de todos e de acordo com Cristiano Túlio Maciel, diretor de Mobilização do Sindicato dos Médicos de Minas Gerais, impacta na qualidade dos serviços prestados á comunidade. “A Fhemig vive uma grande defasagem nos últimos tempos. Se a gente consegue manter um bom atendimento é graças à qualidade técnica dos servidores e do esforço de cada um no dia a dia. Desde 2014 estamos sem reajuste isso tem grande impacto na minha vida porque eu não posso me qualificar nem investir, dentre outras coisas. Com a reforma da previdência isso vai piorar, vamos ter que contribuir com quase 22% da alíquota”, reforçou a denúncia.

Falta de diálogo prejudica avanços nas negociações

“Eles (governantes) são passageiros nós somos permanentes e dedicamos a nossa vida à saúde”, disse Cristiano Túlio que também atua como médico em dois hospitais da rede Fhemig.

Para ele, a falta de diálogo com o governo de Minas dificulta e trava a pauta de negociação dos servidores. Na pauta de reivindicação dos trabalhadores da saúde da rede Fhemig está o pagamento do 13º salário e a melhoria das condições de trabalho. Os servidores da Fhemig protestam também contra a intenção anunciada pelo governador Romeu Zema de ceder a administração dos hospitais da fundação para organizações sociais (OS).

Vale lembrar que o assunto já esteve em discussão na Almg, por meio da Lei 23.081, de 2018, que dispõe sobre o Programa de Descentralização da Execução de Serviços para as Entidades do Terceiro Setor. O tema é polêmico e também já foi discutido pela Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), em outubro do ano passado.

Segundo anunciado durante a audiência pública, a Secretaria de Planejamento e Gestão do Governo analisaria a pauta de reivindicação da categoria e retomaria o diálogo com os servidores até amanhã, às 14h. A Comissão do Trabalho se dispôs a acompanhar o processo de diálogo entre as partes.

Paralisação já afeta e preocupa usuários

De acordo com representantes da Associação Sindical dos Trabalhadores em Hospitais do Estado de Minas Gerais (Asthemg/Sindpros), alguns hospitais da rede já estão com o atendimento reduzido, por causa da paralisação. A greve já tem adesão de funcionários do Hospital de Pronto Socorro João XXIII, Hospital Maria Amélia Lins, Maternidade Odete Valadares, Hospital Galba Veloso e Hospital Júlia Kubitschek.

Sem uma proposta concreta de discussão com os trabalhadores, Leandro do Carmo- Superintendente de Gestão de Pessoas da Secretaria de Estado de Saúde, representando o governo de Estado, afirmou somente que “estamos cientes da situação das carreiras e temos feito estudos para analisar o que pode ser feito, mas diante da forte crise do estado não temos ainda recursos para reverter a crise”, afirmou.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram

Este post tem um comentário

Deixe uma resposta para Elizabeth Soares mazzoni marcato marcato Cancelar resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.