Assembleia aprova projeto que obriga o uso de máscaras cirúrgicas nos estabelecimentos comerciais durante a pandemia

Juiz de Fora se antecipa e medida é anunciada nessa quarta-feira; cidade da Zona da Mata decreta estado de calamidade e já conta com 93 casos confirmados de COVID-19

Mais proteção e medidas para conter a expansão da doença em Minas Gerais; pensando nisso a Assembleia aprovou hoje o Projeto de Lei que obriga a utilização de máscaras cirúrgicas para consumo nos estabelecimentos comerciais do Estado de Minas Gerais, durante o período de pandemia do novo coronavírus (Covid-19). 

“A Assembleia está atenta e tem tomado todas as medidas cabíveis para conter a pandemia no Estado. Estamos trabalhando de forma incessante para que não haja a flexibilização da quarentena e que mais medidas em defesa da saúde sejam tomadas”, disse Betão, lembrando que neste momento é também necessário lutar pela revogação imediata da Emenda Constitucional 95, além de outras medidas para a valorização do SUS. 

De acordo com o PL,  a determinação é válida para os funcionários, servidores e colaboradores que prestem atendimento ao público nos órgãos e nas entidades da administração pública, nos sistemas penitenciário e socioeducativo, nos estabelecimentos industriais, comerciais, bancários, rodoviários e metroviários, além dos demais espaços públicos que estejam em funcionamento previsto no decreto, enquanto perdurar em Minas Gerais o estado de calamidade pública.

Segundo a proposição, a medida veio para que sejam tomadas ações cabíveis para colaborar com a prevenção e precaução contra a doença no Estado. “Uma das formas de transmissão da doença é a disseminação de gotículas respiratórias suspensas no ar por indivíduos infectados ao falarem, tossirem ou espirrarem”, detalha o projeto.

“As máscaras de proteção atuam como barreiras físicas, reduzindo a dispersão do vírus pelo ambiente quando usadas pelas pessoas infectadas, e a possibilidade de contato com as gotículas contaminadas, ao serem utilizadas por quem está exposto ao risco de infecção”, justifica o texto do projeto, que ainda destaca “dessa maneira, o seu uso nos estabelecimentos comerciais, como propõe o projeto em pauta, pode contribuir para a redução da velocidade de propagação da Covid-19”. 

Sobre a responsabilidade de fornecimento das máscaras

Aos donos de estabelecimentos, um alerta: caberá às entidades e estabelecimentos fornecer as máscaras e os demais itens de prevenção e proteção de forma gratuita aos seus funcionários. O texto do projeto fala também que, sempre que possível, serão ofertados aos consumidores e usuários os itens e recursos para sua higienização pessoal.

Vale frisar que o descumprimento das medidas estabelecidas sujeitará aos infratores a sanções previstas no Código de Saúde do Estado ou no Código de Defesa do Consumidor.

Uso de máscaras integra o guia atualizado da Organização Mundial de Saúde

Para os que ainda tem dúvidas, no último dia 6 de abril a OMS atualizou seu guia sobre as práticas de prevenção ao Covid-19, dentre elas instruindo quanto ao uso de máscaras cirúrgicas e caseiras. Segundo o guia, as máscaras são mais recomendadas às “pessoas idosas e com doença cardiovascular e diabetes mellitus – podem ter mais chances de desenvolver uma doença grave ou morrer”, conforme o texto. 

O guia conta também com outra orientação sobre como usar e quando descartar as máscaras. “Deve-se levar em conta o cenário em que a população vive em termos de densidade populacional, de risco de propagação rápida (por exemplo, ambientes fechados, comunidades carentes, acampamentos) e de capacidade de adotar o distanciamento físico (por exemplo, em um ônibus)”, orienta. Todas as dicas e orientações você pode acessar no link : (https://www.who.int/publications-detail/advice-on-the-use-of-masks-in-the-community-during-home-care-and-in-healthcare-settings-in-the-context-of-the-novel-coronavirus-(2019-ncov)-outbreak)

Juiz de Fora quer mais proteção no combate à doença

Após o reconhecimento do estado de calamidade pela Almg, a cidade da Zona da Mata mineira está em busca de medidas para tentar conter o avanço da doença no município. Com 93 casos confirmados e mais de 1300 suspeitos. Em Minas Gerais já são 33 mortes e 958 casos confirmados. 

“O Decreto 13.897/2020 continua em vigor da mesma forma que está. Devemos reeditar algumas medidas nos próximos dias, mas muito mais no sentido de orientar e estimular ações que aprofundem medidas não farmacológicas, como a própria utilização das máscaras, tornando o uso obrigatório para que as pessoas possam ter acesso a espaços públicos. Na verdade, não é o momento de relaxar nenhuma decisão do decreto. Nós sabemos e entendemos as dificuldades e as consequências futuras na economia, mas, hoje, o objetivo maior é a preservação de vidas”, disse o Prefeito em coletiva nessa quarta-feira em resposta aos pedidos de grupos da cidade de flexibilização da quarentena.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.