Betão solicita visita à Sedese para discutir políticas públicas e melhorias para os Centros de Referência em Minas

Visita, que será feita por meio da Comissão de Direitos Humanos, vai avaliar a atual situação de quatro Centros de Referência em Minas Gerais

Dúvidas sobre o auxílio emergencial, doações de cestas básicas, acolhimentos de denúncias, além de ser um centro de acolhimento de toda e qualquer vulnerabilidade, os Centros de Referências de Juiz de Fora, Montes Claros, Alfenas e Teófilo Otoni têm sido um local de execução de políticas públicas no Estado. Por isso, e em função dos cortes em investimentos aplicados pelos atuais governos, Betão solicitou por meio de requerimento, já aprovado pela Comissão de Direitos Humanos, visita à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social para saber mais sobre a atual situação dos centros e possibilidades de criação políticas voltadas para as unidades.

“Agora, na pandemia, a porta de entrada das demandas sociais são os Centros de Referência, por isso, temos que saber como está o funcionamento dentro de cada unidade e o que o Estado pode fazer por eles. Meu mandato tem acompanhado de perto, recebido as demandas e a nossa ideia é acompanhar e cobrar do Estado uma atuação maior nesse momento mais difícil”, afirma Betão.

Betão lembrou que uma das prioridades do seu mandato foi o envio da emenda, no valor de R$ 133 mil, para o Centro de Referência de Juiz de Fora, que antes corria o risco de fechar as portas, mas que graças a investimentos como esse, continua a atuar com um trabalho de assistência social na cidade. “A criação de políticas públicas é importante do ponto de vista do Legislativo, mas a destinação de recursos é fundamental para que instituições como os Centros de Referência continuem a existir e a realizar o trabalho de excelência que eles realizam”.

A unidade presta atendimentos jurídicos, sociais e psicológicos direcionados à população em situação de vulnerabilidade. Para a coordenadora do Centro, Fabiana Rabelo a visita, além de valorizar o trabalho das unidades, vai reforçar a importância de o poder público valorizar um instrumento social tão importante e utilizado agora.

“Temos, em média, 400 atendimentos e agora, mais do que nunca o Centro é uma referência para as pessoas que precisam de políticas de direitos humanos, de pessoas que têm seus direitos violados e que estão em situação de vulnerabilidade”, afirma lembrando da importância da destinação de mais recursos como o enviado pelo mandato.  

“No Centro a gente lida com a questão da segurança alimentar, vê a cara da fome e da miséria e precisamos de recursos para atender a essas pessoas”, reforça Fabiana.

No Centro de Referência do Vale do Mucuri, a coordenadora Alba Cristina conta que são atendidas 29 cidades da região em um trabalho realizado há mais de três décadas. “Nós atendemos, em média, cem pessoas por mês, e agora na pandemia atendemos também presencialmente, por telefone, à distância. O importante é manter o atendimento que é feito a todos, aos indígenas, às comunidades quilombolas, aos que precisam de políticas de direitos humanos e de qualquer tipo de orientação”, explica.

Apesar da existência do trabalho há mais de 30 anos, Alba conta que hoje, no atual governo, as ações são marcadas pela incerteza. “Incerteza é um processo, e as ações muitas vezes são fragmentadas. No governo Pimentel havia um decreto que dava suporte no atendimento aos Centros de Referência. Hoje é uma incerteza, se tem recurso vem. Se não, ficamos sem”, finaliza. 

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.