Governo Zema não nomeia professores da UEMG e docentes de diversas áreas aguardam efetivação do concurso público

Mais um registro de problemas e ataques envolvendo a educação em Minas e agora, professores de diversas áreas da Universidade Estadual de Minas Gerais aguardam que o governo Zema faça a devida nomeação dos aprovados no concurso de 2018.

Preocupado com a situação, e com o fato de que muitos professores estão designados e que seus contratos podem vencer a qualquer momento, Betão, por meio da Comissão de Educação, cobrou de forma oficial que a Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão nomeie todos os candidatos aprovados no concurso público de educação superior realizado pela UEMG em todo o estado no edital do ano de 2018. São educadores de diversas áreas do conhecimento, em diferentes cidades de Minas Gerais.

“O governo Zema mais uma vez parece usar a pandemia como desculpa para não realizar nomeações de professores no Estado. No caso dos profissionais da UEMG, muitos professores ainda não foram nomeados e estão trabalhando como designados para a função na qual já foram aprovados no concurso público sem, contudo, ter a segurança jurídica do pleno exercício de seu direito como funcionário público”, explica Betão.

Além da falta de segurança jurídica e o perigo de até perder o prazo para nomeação, o presidente da Associação dos Docentes da UEMG, Roberto Kanitz, conta que a realização de um concurso é também algo oneroso ao Estado.

“Além de todos os problemas envolvendo a não nomeação desses professores que foram aprovados para essa função é preciso lembrar que fazer um concurso em si é algo muito caro e com a não nomeação o governo está desperdiçando dinheiro público”, reforça.

Roberto cita ainda que o pedido de nomeação urgente desses profissionais em todo o estado foi aprovado pela categoria em assembleia realizada pela Aduemg, e que as reitorias das diferentes unidades da UEMG em Minas Gerais também têm acordo sobre a necessidade de o processo se concretizar. “É um problema que envolve o Governo de Minas Gerais e nós precisamos resolver o mais rápido possível”, acredita.

O professor no curso de Pedagogia, Túlio César, da cidade de Divinópolis é um dos professores aprovados no concurso de 2018, designados e que aguardam a nomeação. “É preciso realizar uma audiência pública para discutir o assunto com o objetivo de avançarmos e termos mais segurança, inclusive no dispositivo da Lei, para que os professores aprovados e classificados sejam nomeados, que não fiquem nesta situação de precariedade e correndo o risco de perderem suas vagas. A demanda existe em todas unidades da UEMG, faltam novas nomeações do Governo de Minas”, finaliza.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.