Relatório sobre Hospital João Penido será apresentando em audiência que discutirá modelo de OS na Fhemig

O atendimento no Hospital João Penido e as dificuldades ligadas à gestão, como a falta de recursos, serão apontados em um relatório feito pelo Conselho Estadual de Saúde, o Sindicato da Saúde de Minas Gerais e representantes do setor. A ideia é que o texto, que também contará com colaboração do mandato do Betão (PT), seja apresentado no próximo dia 14 de outubro durante audiência pública da Assembleia Legislativa de Minas Gerais.

A audiência em questão será uma plenária do Conselho Estadual de Saúde para discutir a tentativa do Estado de Minas Gerais de implementar o modelo de Organização Social nos hospitais da rede Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig), dentre eles o João Penido, localizado em Juiz de Fora – MG.

Foco da audiência pública solicitada pelo deputado Betão, o Hospital é tema preocupante não só pelo fechamento da ala de urgência e emergência, mas também por pertencer a rede de 21 hospitais da Fhemig que estão sob a mira do estado para virar OS.

Pelo modelo, haveria a privatização de serviços oferecidos pelos hospitais, o que já desagrada representantes do setor no Estado.

“A mudança para o sistema de Organização Social não vai resolver o problema do João Penido. Existem estudos que comprovam que as OSs além de mais caras, não apresentam eficiência e qualidade. Temos exemplos claros, como São Paulo, que implementou o sistema e teve uma piora na qualidade do atendimento. Temos é que cobrar do governo de Minas Gerais mais investimentos para a Fhemig continuar prestando um serviço de qualidade à população”, disse Betão.

Durante a plenária do Sindicato Único dos Trabalhadores da Saúde – SindSaúde, realizada em setembro, a Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag) alegou que a motivação do estado para terceirizar o gerenciamento da Fhemig são as “amarras burocráticas” que dificulta e impede o funcionamento de qualidade das instituições de administrações diretas. Entre a série de propostas apresentadas na ocasião pela Seplag, uma delas é a de criação de uma comissão para o monitoramento e fiscalização dos contratos das OSs, instâncias que também foram criadas em muitas cidades, e ainda assim, tiveram denúncias e condenações por fraudes, a exemplo de São Paulo.

Um estudo usado pelo Conselho Estadual de Saúde aponta que estados como São Paulo, que já implementaram o sistema de OS passaram a gastar mais com saúde, mas com um resultado pior em termos de qualidade. “Temos que buscar recursos por meio do Estado e não privatizar a nossa saúde. Caso virem Organizações Sociais, os hospitais vão atender aos interesses das empresas privadas, que por sua vez poderão ou não usar da forma correta os recursos e atender os pacientes. Além disso o sistema de OS é em média, muito mais caro”, explica Renato Barros, membro do Conselho Estadual de Saúde.

O caso do Hospital João Penido

“Na nossa visita ao João Penido tomamos conhecimento de relatos sobre as dificuldades da gestão e a falta de recursos. Vamos fazer um relatório a ser apresentado na audiência (14/10) que tornará um documento público, para tentar buscar uma saída para o Hospital, tão importante para a região”, explica Renato Barros. 

Problemas não faltam no modelo de gestão proposto, de acordo com o Sindicato Único dos Trabalhadores da Saúde (SindSaúde), como fraude no cumprimento de metas; contratação de profissionais de forma irregular; desvio de finalidade dos repasses financeiros; redução de internações; entre outros problemas comprovados judicialmente.

Enfermeira do hospital João Penido há 8 anos, Lenir Romani acompanhou a visita ao hospital ao lado de Renato Barros. Ela garante que mesmo com a escassez de materiais e equipamentos, o hospital não pode ter como única solução ser gerido por uma Organização Social. Segundo ela, a adesão de usuários é necessária e algumas associações de moradores, como a Associação do Grama, vão participar da plenária programada para o dia 14 de outubro, na ALMG.

“Além da precarização de medicamentos disponibilizados aos pacientes, o hospital perde muito se for administrado por OS. Estamos buscando o apoio inclusive dos usuários do equipamento, pois caso a mudança ocorra não teremos mais autonomia para decidir o procedimento adotado no atendimento”, disse Lenir, que também é da diretoria regional do SindSaúde, representando Juiz de Fora e Região.

Modelos de OS prevê privatização e o desmonte do SUS

As organizações sociais (como define a Lei Federal 9.637, de 1998) são entidades privadas, sem fins lucrativos, com as quais o poder público estabelece parcerias, por meio de contratos de gestão, para fomento e execução de atividades dirigidas ao ensino, à pesquisa científica, ao desenvolvimento tecnológico, à proteção e preservação do meio ambiente, à cultura e à saúde. Em Minas, o assunto é objeto da Lei 23.081, de 2018, que dispõe sobre o Programa de Descentralização da Execução de Serviços para as Entidades do Terceiro Setor.

Especificamente para a saúde, o governo Zema já apresentou uma proposta para ceder a administração de hospitais da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig) para Organizações Sociais (OS), durante reunião da Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).  

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Fechar Menu