Moradores de Timóteo se mobilizam contra o reajuste abusivo da tarifa da Copasa; mandato do Betão apoia iniciativa

Os cerca de 80 mil moradores da cidade de Timóteo, no Vale do Aço, já começaram o ano com uma péssima notícia: um reajuste abusivo de 97,5% da tarifa cobrada pela Copasa pelo serviço de saneamento. Sem aviso prévio, ou motivos para o aumento, a Companhia comunicou somente à Prefeitura que acatou a decisão e já de pronto aplicou o reajuste.

Indignados, moradores foram às ruas, organizaram um abaixo-assinado que já contém 15 mil adesões, e levaram o protesto também para as redes sociais contra o aumento abusivo, que impacta no bolso dos moradores do Vale do Aço.

“Não foi reajuste, foi um verdadeiro assalto à mão armada”, desabafa a moradora de Timóteo Lucilene Arruda Faustina. Ela relata ainda que a sua conta de água passou de cerca de R$150 para R$ 434 neste mês. “Um verdadeiro absurdo, principalmente para quem é de baixa renda e provavelmente não conseguirá pagar esse valor”.

A moradora do Vale do Aço disse ainda que a população de Timóteo resolveu não ficar parada e que e tem se organizado contra a Prefeitura e a Copasa. “Estamos indo para as ruas protestar, fazemos panfletagens e vamos até para as redes sociais denunciar esse aumento abusivo. Em determinados bairros falta água e as obras ainda não foram concluídas, por isso não é justa essa cobrança abusiva”, finaliza.

Para o deputado Betão que defende o atendimento de qualidade das estatais mineiras, a Copasa está errada e cumpre um projeto do atual governo que quer sucatear os serviços e prejudicar o cidadão. “Esse governo não pensa no cidadão. Só fala em cortes, em privatizar e em encarecer os serviços. A população de Timóteo está de parabéns e meu mandato está totalmente à disposição dessa luta”, disse.

Entenda o problema

Com o objetivo de auxiliar os moradores da cidade, o advogado Eduardo Carvalho, representante do Conselho Comunitário do Município e do Sindicato dos Empregados dos Estabelecimentos da Saúde de Timóteo, Coronel Fabriciano e Ipatinga, vem reunindo relatos dos moradores para buscar uma saída junto à justiça e reverter a cobrança.

Eduardo explica que no Plano Municipal de Saneamento (PMS), a COPASA prevê a cobrança de 40% da taxa durante a realização das obras de saneamento na cidade. A empresa alega que já concluiu as obras, mas antes mesmo da sua conclusão a empresa já aplicava 50% do valor da tarifa, o que não poderia ocorrer. Para ele, que representa a causa dos moradores, o reajuste não tem base legal e deve sim ser impedido. “É um verdadeiro absurdo e nós entramos com uma ação civil pública contra a Copasa e a Prefeitura de Timóteo”, explica.

Ele relembra que o reajuste, além de ilegal, não reflete a realidade da maioria dos moradores dos 47 bairros da cidade de Timóteo, que hoje reclamam da qualidade do serviço da Copasa, da falta de fornecimento de água e da qualidade do saneamento como um todo.

“A redução da tarifa tem base legal e encontra-se na Lei 11.445/2007, que estipula que a tarifa de esgoto leve em consideração, entre outros fatores, a capacidade de pagamento dos consumidores, a definição da tarifa com valor mínimo possível e que o serviço de saneamento, por ser uma questão de saúde pública, não pode ser tratada somente com visão de lucro”, explicou.

O que a Copasa alega

Por meio de sua assessoria, a Copasa informou que a ETE Limoeiro, Estação de Tratamento de Limoeiro (ETE), que atente aos moradores de Timóteo, “entrou em operação em setembro de 2019. Com o funcionamento da estação, cerca de 82% dos esgotos coletados na cidade de Timóteo e 50% dos esgotos coletados na cidade de Coronel Fabriciano passam por um completo tratamento antes de serem devolvidos ao Rio Piracicaba. Por isso, a partir de dezembro de 2019, a Copasa iniciou a cobrança referente ao serviço de tratamento de esgoto.

Sobre o reajuste abusivo a Copasa não foi clara e ainda disse que “a partir desta data, a tarifa relativa ao serviço de tratamento do esgoto em Timóteo e Coronel Fabriciano passou a equivaler a 97,50% do valor pago pelo consumo de água e está sendo aplicada apenas para os clientes cujo esgoto é coletado e destinado a (ETE). A nota detalhou ainda que esse serviço é “referente ao tratamento de esgoto e representa um acréscimo de 50,48% em relação ao que já vinha sendo cobrado pelos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário antes do tratamento ser implantando”, disse de forma inconclusiva.

Para finalizar, a Copasa afirmou ainda que chegou a avisar aos moradores que faria o reajuste, diferentemente do que afirma a população da cidade. “A Companhia destaca que os moradores foram informados por meio de três comunicados: 90, 60 e 30 dias antes da alteração e que foram também entregues ofícios para os órgãos envolvidos. Sobre a última informação, os moradores da cidade e o advogado consultado na matéria negaram que houve aviso prévio

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Fechar Menu