Betão e representantes do Sul de Minas dizem não à reforma de Zema. “Servidores não vão pagar a conta de um governo que concede anualmente bilhões em isenções”

“O governo não fala em cortar os R$ 12 bilhões de isenções concedidos anualmente para as montadoras e mineradoras. Ele só fala em jogar as contas  ‘no lombo’ do trabalhador, o que é uma economia em torno de R$1 bilhão por ano”, esse foi um dos argumentos apresentados por Betão, que na noite de hoje conversou com representantes do sul de Minas para explicar a reforma da Previdência.

Além das dúvidas, como o tempo para tramitação, o porquê dessa proposta nefasta e o detalhamento das alíquotas que confiscam em até 70% o salários dos servidores, Betão explicou detalhadamente para os cerca de 40 participantes de cidades como Leopoldina, Bom Jardim e Caxambu, todos os problemas envolvendo o projeto.

“Não vamos permitir que essa reforma seja votada porque o governo Zema, em momento algum, fala em buscar soluções, ele só fala em penalizar o trabalhador, em retirar direitos históricos. Ele vai primeiro mandar a reforma da Previdência, depois a Administrativa e depois vai tentar, a todo custo privatizar as nossas estatais. Assim como Bolsonaro, o governo Zema está à serviço do capital”, reforçou Betão.

A representante do Sind-Ute de Caxambu, Carla Fernandes, disse que na sua cidade a mobilização nas redes sociais tem sido intensa para que o entendimento das pessoas de que mulheres e as professoras serão prejudicadas chegue a todos os espaços.  “É uma reforma draconiana, que destrói a carreira e reforça o discurso do capital. Esse governo de Minas é uma maquete mal acabada do governo Bolsonaro, que tenta, à qualquer custo, destruir a carreira dos professores. Por isso, vamos continuar lutando e organizando a categoria”, disse manifestando total apoio à iniciativa do mandato.

Para Eduardo Pereira, presidente do Sindágua (Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Purificação e Distribuição de Água e em Serviços de Esgotos do Estado de Minas Gerais) o projeto de Zema é de desmonte total, mas os servidores devem ficar atentos porque se há insensibilidade com a questão do saneamento, que permite a igualdade, com as reformas não seria diferente. 

“Esse governo não vê a importância social que uma empresa como o SAAE tem e como o saneamento tenta corrigir isso. Se privatizar não terá essa tentativa de igualdade social porque a empresa privada não vai terá essa visão”, acredita.

O Coordenador do Sind-UTE Subsede Leopoldina,  Luiz Marangon, acredita que só com a mobilização do parlamento, servidores e da população, essa reforma poderá ser barrada. “Estão tentando passar a boiada à qualquer custo, mas cabe a gente fazer o que estamos fazendo aqui, nos reunindo para falar e combater essa reforma. Reforma que ataca os professores e retira direitos de todas as categorias e que prega o desmonte da carreira pública”, detalha.

Para finalizar, Betão convocou a todos para que, em seus espaços, promovam reuniões e encontros virtuais como esses para levar informações sobre a reforma. “Nosso mandato vai produzir materiais, temos divulgado em nossas redes sociais e agora, companheirada, é essa a nossa forma de fazer o enfrentamento. Está claro que esse governo veio para atender aos interesses dos banqueiros, O projeto é reforma da Previdência, adesão ao regime de Recuperação e venda das estatais, e contra isso nós temos de lutar para ter um Estado forte”, finalizou já convocando à todos para a próxima reunião.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.