Após aprovação na esfera estadual, o HU-UFJF/Ebserh está a um passo de ser habilitado junto ao Ministério da Saúde como Serviço de Referência em Doenças Raras

Movimentos sociais levaram a demanda ao deputado Betão, que desde então vem lutando para que o processo possa ser concretizado

A luta do Movimento em Defesa dos Direitos dos Pacientes com Esclerose Lateral Amiotrófica (MOVELA) e de pacientes que sofrem outros tipos de enfermidades raras teve  uma importante vitória no caminho da habilitação para o funcionamento de um Serviço de Referência em Doenças Raras no Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora (HU-UFJF/Ebserh). A demanda foi  aprovada pela Secretaria Estadual de Saúde de Minas Gerais e o próximo passo será a análise e publicação da portaria de habilitação pelo Ministério da Saúde.

Pouco mais de um ano se passou desde que o Betão se reuniu com o secretário estadual de saúde, junto a representantes do Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora, e levou até a Secretaria a necessidade de uma união de esforços para que o HU fosse credenciado e autorizado a atender os pacientes a partir de  um Centro de Referência em Doenças Raras. 

“Essa é uma demanda que desde sempre levamos com muita seriedade porque além de dar mais qualidade de vida aos pacientes, será referência para Juiz de Fora e para toda a região da Zona da Mata”, adiantou Betão.  Por meio de um ofício enviado à Secretaria de Estado de Saúde no último mês de setembro, o deputado cobrou respostas quanto ao processo, sendo informado em seguida que o credenciamento já estava vigente e aguarda apenas trâmites burocráticos na instância federal.

“O HU-UFJF apresentou a estrutura exigida pela Portaria n° 199, de 30 de janeiro de 2014, faltando apenas, para conclusão do processo, a resolução de algumas diligências a serem analisadas e aprovadas pelo Ministério da Saúde”, conta Marcos Nunes, chefe da Unidade de Cirurgia Geral do HU e responsável pelas habilitações no Hospital, referindo-se à pendências documentais e burocráticas que precisam ser acertadas antes que o Serviço de Referência passe a funcionar. “As questões que foram colocadas como pendências eram relativas a ajustes de equipe e adequações na planilha de impacto financeiro, além de alguns cadastros, que no momento são os únicos pontos que faltam para que a documentação seja encaminhada. Caso o Ministério da Saúde aprove a documentação, o próximo passo será a publicação da portaria de habilitação do HU-UFJF como Serviço de Referência em Doenças Raras”, complementa.

Marcos conta ainda que o Hospital sempre se colocou à disposição do pleito para que o Serviço de Referência pudesse funcionar o mais breve possível. “Temos uma relação muito boa e próxima com o MOVELA, somos parceiros nesse processo. O HU sempre defendeu a causa e nós esperamos que a demanda possa ser atendida em breve, estamos prontos para isso”, finaliza. 

A demanda sobre a importância desse atendimento para toda a Zona da Mata foi levada a Betão por meio do Movimento em Defesa dos Direitos dos Pacientes com Esclerose Lateral Amiotrófica (MOVELA), que se reuniu com o deputado. Para a presidente do Movela, Marília Bonoto, esse passo para a conquista junto ao HU é um alívio, e a garantia de que os pacientes da região serão atendidos, ainda mais agora, no contexto da pandemia e de cortes e restrições orçamentárias, com maior qualidade e de maneira mais assertiva.

Marília, que é portadora da Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), conta que os atendimentos são feitos em um ambulatório, e que os pacientes têm que se deslocar para diferentes localidades para concluírem a consulta. Com o credenciamento e a possibilidade de o HU funcionar como um Serviço de Referência, não haverá dispersão e uma equipe multidisciplinar estará apta a atender às demandas de quem tem doenças raras.

“Juiz de Fora tem 42% mais casos de Esclerose Lateral Amiotrófica, uma das doenças listadas como raras, em comparação com a média nacional. Portanto esse credenciamento é uma vitória, porque a partir de agora a gente vai ter condições de criar e desenvolver pesquisas e poder pensar em qualidade de vida. A gente quer vida, mas vida com qualidade e abundância e não uma sobrevida, como antes a gente pensava quando falava em pacientes de doenças raras”, disse reforçando que só em Juiz de Fora, mensalmente, serão atendidos 126 pacientes com ELA e cerca de 2.600 pessoas com outras doenças raras.

Para Betão o credenciamento é uma vitória não só para os pacientes, mas para toda a rede de atendimento do HU e da Zona da Mata. “Desde o ano passado estávamos na luta porque muitos desses pacientes tem dificuldades de locomoção e precisam de um atendimento diferenciado, que em alguns casos pode chegar a R$ 150 mil mensais. Portanto criar condições para que esses pacientes possam ser atendidos com qualidade é um avanço para Juiz de Fora e região”, conclui.

Habilitação torna a região referência em atendimento

De acordo com a Portaria GM/MS nº. 199 de 30 de janeiro de 2014 do Ministério da Saúde, no Sistema Único de Saúde, a assistência ao paciente com doenças raras está prevista e é sim garantida por lei, mas nem todos os locais estão devidamente credenciados e aptos a esse atendimento mesmo já tendo a estrutura necessária, como a possibilidade de contar com uma equipe especializada.

O Ministério da Saúde classifica como “doença rara” a enfermidade que contém alguns critérios epidemiológicos. Um deles  investiga se a doença afeta até 65 pessoas em cada 100 mil indivíduos, ou seja, 1,3 para cada 2 mil pessoas, ela é considerada rara.

No Brasil, existem entre 7 e 8 mil doenças raras sendo que a maior parte delas, cerca de 80%, tem origem genética. O mais preocupante é que, conforme nota técnica enviada ao nosso mandato pela Fiocruz, “95% dessas doenças não possuem tratamento específico e dependem de uma rede de cuidados paliativos bem estruturada, que assegure uma melhor qualidade de vida aos pacientes atendidos”.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.